sábado, 22 de junho de 2013

Depois da Terra

 
O diretor M. Night Shyamalan surgiu como uma grande promessa nos cinemas quando lançou em 1999  O Sexto Sentido. Depois realizou bons trabalhos com Corpo Fechado (2000), Sinais (2002) e A Vila (2004). Posteriormente a qualidade só piorou como vimos em  A Dama na Água (2006) e Fim dos Tempos (2008). Depois da Terra não é o melhor filme da sua carreira, mas está de longe de ser o pior.
 
O prólogo didático que abre o longa explica que, no futuro, a humanidade vive em um outro planeta, caçada por uma raça alienígena bestial que fareja o medo dos terráqueos (através de feromônios que liberados quando sentimos medo). O lendário general Cypher Raige (Will Smith) aprendeu a não ter medo – o que o torna invisível aos aliens – mas seu filho Kitai (Jaden Smith), não tem o mesmo autocontrole. Quando a nave dos dois cai na Terra, à mercê de mudanças climáticas extremas e espécies predadoras, cabe a Kitai aprender a dominar seu medo.
 
 
A premissa do filme não é tão diferente do que já estamos acostumados – afinal a "jornada do herói" e a busca de redenção está presente em quase todas as ficções científicas já feitas – mas aqui, tudo é mostrado e desenvolvido de uma maneira bem simples e técnica. Toda a trama se desenvolve na relação do pai com o filho. Há um tom melodramático na maior parte do filme, mostrando como as duas partes se relacionam, afinal, os dois são treinados e educados pelo método militar. O recurso para impactar ainda mais a situação foi utilizar flashbacks durante toda a história, e digo que foi muito bem feito.
 
Will Smith mais uma vez se destaca na atuação, encontra um tom de interpretação ideal para o seu personagem, entre a frieza e a quase emotividade, tem uma das melhores atuações de sua carreira. O que acaba evidenciando mais as deficiências do filho. Em alguns momentos é visível que Jaden ainda precisa estudar mais, porém acredito que isso não seja o suficiente para prejudicar o filme.
 
 
Toda a ação acontece na Terra, não a que conhecemos, mas sim um planeta que todos os seres vivos, desde animais até plantas, evoluíram com o único propósito de eliminar a raça humana. A ideia é boa, pois transformar o nosso planeta em um totalmente "novo" abre um leque de possibilidades criativas. Mas é aqui que o filme peca. Todo o visual está incrível, apesar de não nos mostrar nada realmente novo, mas os "obstáculos" e perigos encontrados por Kitai são poucos e de uma certa forma, decepcionantes. Acho que poderiam explorar mais esses pontos. Vale destacar a cena onde Kitai chega às "regiões frias" e a ideia do uniforme mudar de cor conforme as hostilidades do ambiente.
 
Como disse anteriormente a trama de Depois da Terra não é a mais criativa já vista, porém é uma boa história contata de uma maneira simples e afetiva. Mostrar o drama de um pai em busca de redenção, com um filho que faz o mesmo, em um cenário improvável, mostra mais uma vez que Shymalan ainda busca voltar a velha forma, ou a sua redenção. Espero que encontre. Da mesma maneira que Kitai encontrou a sua.

 
7,5 PIPOCAS!
 

 
Ficha técnica:
 
After Earth – EUA, 2013 – 100 min.
 
Diretor: M. Night Shyamalan
 
Roteiro: M. Night Shyamalan, Gary Whitta, Will Smith
 
Elenco: Jaden Smith, Will Smith, Sophie Okonedo, Zoë Kravitz, Glenn Morshower, Sacha Dhawan, Jaden Martin
 


Nenhum comentário: