terça-feira, 1 de janeiro de 2013

As Aventuras de Pi

 
A Vida de Pi (The Life of Pi), de Yann Martel, é um livro publicado em 2001 que teve mais de 1,5 milhão de exemplares vendidos em todo o mundo e ganhou em 2002 um Booker Prize (prêmio literário criado em 1968, sendo um dos mais importantes atribuídos anualmente). Com esse sucesso evidente, é claro que a velha Hollywood não poderia deixar passar, e em dezembro de 2012 é lançado nos cinemas a versão cinematográfica do livro. Aqui no Brasil, o filme teve o péssimo título de As aventuras de Pi.
 
Pi Patel (Suraj Sharma) é filho do dono de um zoológico localizado em Pondicherry, na Índia. Após anos cuidando do negócio, a família decide vender o empreendimento. A ideia é se mudar para o Canadá, onde poderiam vender os animais para reiniciar a vida. Entretanto, o cargueiro onde todos viajam acaba naufragando devido a uma terrível tempestade. Pi consegue sobreviver em um bote salva-vidas, mas precisa dividir o pouco espaço disponível com uma zebra, um orangotango, uma hiena e um tigre de bengala.
 
 
Antes de mais nada, quero deixar claro que não li o livro, por isso faço a minha análise totalmente independente de critérios de comparação. Acredito que 70% da história se passa em "alto mar", logo, o filme foi quase que inteiramente rodado dentro de um estúdio. Isso possibilita a criação de um mar infinito e cenários de uma beleza ímpar. É aí que entra o talento do diretor chinês Ang Lee, que consegue com maestria mostrar novamente uma sensibilidade incrível. A fotografia também está fantástica. Todas as cores, formas, luzes se complementam de uma maneira muito satisfatória. Visualmente é um filme impecável. Isso também pode-se dizer do tigre; é impressionante o grau de realismo do animal, que foi recriado digitalmente em quase todo o longa. É um trabalho de captura de performance e estudo da movimentação do animal muito real. Fruto do trabalho da Rhythm & Hues Studios, a mesma que criou o leão de Nárnia.
 
A atuação de Suraj é emocionante. Desde o ínicio, mesmo quando não havia o sofrimento, o indiano – que mora com seus pais matemáticos em Delhi, e que venceu uma disputa com 3 mil concorrentes pelo papel de Piscine Patel – me surpreendeu. Ele consegue nos fazer rir, chorar e se comover entre uma cena e outra. É claro que a história tem como base o sofrimento, mas Suraj consegue demosntrar claramente a sensabilidade e a dor vivida pelo personagem Pi. As cenas de interação com o tigre são fantásticas. Há momentos que você não tem dúvidas que o tigre é real e está bem a frente do ator. Ao longo da trama essa relação do animal selvagem com o garoto solitário não para de evoluir, e até o final do filme, você não sabe onde ela vai parar. Aliás, o final da história nos trás uma interpretação totalmente diferente e comovente.
 
 
O que eu não consigo entender é por que aqui no Brasil o filme foi traduzido como As aventuras de Pi. Esse título não reflete em nada o que é a história. O filme é sério, dramático e denso, não é As Viagens de Gulliver ou Jornada ao Centro da Terra. E com certeza é por causa disso que na sessão onde eu assisti, estava cheia de crianças rindo o tempo todo. As pessoas olham o cartaz, um homem, um tigre e o título As Aventuras de Pi e vão pro cinema com crianças pensando em algo como: "Um homem e seu tigre se envolvendo em altas confusões com uma galerinha do barulho, vivendo grandes aventuras!". Isso é triste.
 
Como disse anteriormente, não posso julgar o filme como adaptação literária, mas como simples cinema, As aventuras de Pi é excelente. História comovente, que nos faz refletir sobre a vida, em diversos sentidos. Pi Patel pode ser qualquer um de nós.
 
 
9  PIPOCAS!
 
 
 
 
The Life of Pi - EUA, 2012 - 127 min.
 
Direção: Ang Lee
 
Roteiro: David Magee
 
Elenco: Suraj Sharma, Irrfan Khan, Tabu, Adil Hussain, Gerard Depardieu, Rafe Spall
 


7 comentários:

Anônimo disse...

Filme maravilhoso, emocionante nota 1000 pipoquinhas.

Anônimo disse...

Verdade eu também gostei muito, merecia ganhar o óscar pela grande atuação que esse filme teve.

Rosy

Anônimo disse...

Eu achei muita ficção, algumas coisas sem sentindo, mas o resto ta bom.

Anônimo disse...

Grande filme, o ator eu não conhecia mas adorei sua atuação. nota 8 eu daria.

Thais

Anônimo disse...

Poxa eu perdi esse filme no cinema, eu assisti em casa mesmo, e foi ótimo eu recomendo esse filme para quem quer se emocionar como eu. Belos comentário Thiago.

Luana

Rayra disse...

Filme muito chato, coisas sem sentido...

Thiago Sakowski disse...

Poxa Rayra, eu gostei bastante desse filme! Tem o livro, talvez se você ler possa gostar mais da versão cinematográfica!=)
Muito obrigado pela visita e pelo comentário!