terça-feira, 19 de junho de 2012

MIB – Homens de Preto 3


É incrível como eu consigo lembrar fácil de MIB – Homens de Preto (1997). Basta eu fechar meus olhos e cenas do filme veem a minha cabeça. Agora, MIB 2 (2002) é um grande branco na minha memória. Parece até que fui vítima do neurolizador e todas as lembranças que eu poderia ter do segundo filme foram apagadas. Mas na verdade, eu sei o motivo. Enquanto o primeiro filme teve um ótimo roteiro, boas piadas, excelentes efeitos especiais, bons personagens, originalidade; o segundo se preocupou apenas em explorar os efeitos especiais e a ação desmedida, limitando-se a reciclar piadas e situações já vistas no filme anterior. Analisando dessa maneira, alguém pergunta: "MIB precisa de mais uma continuação?" e eu respondo: "Com certeza. Para ficarmos com algo bom na lembraça." E ainda bem que isso acontece.

A trama começa quando Boris, o Animal (Jemaine Clement) consegue escapar da prisão e sai atrás daquele que o prendeu, K (Tommy Lee Jones). Mas o seu plano não se restringe apenas a vingar os últimos 40 anos em que passou na prisão. Ele decide voltar no tempo para matar o seu captor e ainda impedir que toda a sua raça seja extinta. Cabe então a J (Will Smith) voltar também no tempo e impedir que tudo isso aconteça.


A grande qualidade desse terceiro longa, é que ele lembra muito mais o primeiro do que o segundo. Mesmo o roteiro não tendo grandes novidades, nem conceitos inéditos de viagens no tempo, ele é bem conduzido e estruturado. As piadas estão ótimas e Will Smith rouba a cena mais uma vez. Todos os aliens estão criativos e perfeitos da concepção à execução. Logo na primeira cena, temos a certeza da qualidade que veremos ao longo do filme. E temos ainda todas as criaturas dos anos 1960, que foram criadas à imagem que se tinha dos alienígenas daquela época, com aquário na cabeça, cara de peixe, etc.

O grande vilão da trama deve ser elogiado também, um ótimo trabalho de Jemaine Clement. Boris, o Animal, convence tanto quanto o "Edgar", a barata gigante do primeiro MIB, e muito mais do que a dupla Johnny Knoxville e Lara Flynn Boyle do segundo. Ele é cruel e mata sem escrúpulos, fora possuir uma grande importância na trama central. Outro personagem que também merece ser lembrado é Griffin (Michael Stuhlbarg), o carismático alienígena que está ali para guiar os protagonistas (e principalmente ao público) na trama, ensinando o básico sobre as viagens no tempo, o que acontece ao se mexer no passado e os presentes alternativos que podem coexistir. Griffin está ali para esclarecer qualquer outra dúvida que surgir pelo caminho. E por falar em viagens no tempo, toda a ambientação no passado é impecável, principalmente o K jovem interpretado por Josh Brolin. É impressionante como ele conseguiu pegar a entonação e os trejeitos do velho Tommy Lee Jones e recriá-las à perfeição. É esta viagem no tempo que traz ao filme um frescor que faltou ao segundo.


O filme tem um desfecho nunca visto antes na saga, algumas pessoas podem torcer o nariz para o sentimentalismo que eles tentaram dar ao filme, mas a verdade é que é uma saída que faz sentido e ainda homenageia o que foi feito antes. E para quem não gostar, tem sempre o neurolizador.
 
 
 
8 PIPOCAS!
 
 
 
Men in Black 3 – EUA, 2012 – 106 min.

Direção: Barry Sonnenfeld   

Roteiro: Etan Cohen

Elenco: Will Smith, Tommy Lee Jones, Josh Brolin, Jemaine Clement, Michael Stuhlbarg, Emma Thompson
 

 

4 comentários:

Mafe disse...

Me emocionei muito com o final da história deu um sentido para todos os outros filmes da série.

Thiago Sakowski disse...

Sim! Fecharam a trilogia de uma maneira que me agradou bastante, agora eu só espero que não venham com mais sequências para estragar as lembranças desse último filme... muito obrigado pelo comentário!

Mafe disse...

Concordo com vc, se realizar outro filme vai ser uma decepção total assim já esta ótimo. Adorei seus textos me fizeram ficar mais critica com que eu assisto.

Anônimo disse...

Mafe Gostei muito desse filme, a história ficou bem legal, mas acho se quiserem fazer continuação não vai ser ruim eu vou assistir.